O patinho tavu na lagoa... O Menininho tavu na canoa... Se eu fosse uma brabuleta.... Pegavu ele e butavu na maleta....

11/30/2006

1/12 DIA INTERNACIONAL DO CAMBATE AO HIV






PELO FIM DESSA DOENÇA

PELO FIM AO PRECONCEITO

PELO USO DA CAMISINHA

PELO RESPEITO AOS PORTADORES

PELA CURA JÁ!!!

Agonias Astrológicas



Bem, ainda estou no meu inferno astral e ontem eu vi que me jogaram mesmo na mão do capeta. Cheguei a rir depois, porque cismei que as coisas da vida só servem pra isso, ri depois. Isso porque, poucos são aqueles que entendem as piadinhas divinas.

Sim, Deus é um palhaço!

Eu fiquei no Plaza ontem, falando com G. sobre Nelson Rodrigues, nossa, ela ta apaixonada pelo cara de tal forma, que tenho em mim, que ela será uma das melhores atrizes "rodriguianas" já vista por essas bandas. Só vi uma pessoa mergulhar tão fundo assim... Mas isso na verdade só serviu pra que eu pegasse uma chuva monstra ao voltar andando do Plaza até aqui - pões chão nisso* - e a coisa estranha começa agora...

Existe um morro, onde existe uma favela no meio do caminho e, no cume desse morro eu cruzei caminho com A. C. que me cumprimentou e por mim foi saldado na correria da chuva, mas isso acordou um sem noção que na minha frente andava fazendo-o virar-se pra mim e comentar:

- Esse tempo está maluco!

Oras, inocente frase e, bastou eu concordar com a cabeça pra que o bendito saído da porta do inferno grudasse em mim numa caminhada na chuva torrencial e tagaralesse a revelia. Sim, ele tinha pouco tempo para falar sobre toda sua vida amorosa pra mim! E eu com isso?!

A figura tratava-se de um cara marrento, meio grandinho, com cara de poucos amigos, ou melhor, ele era tão - como direi!? - "testoteronado" que achei melhor não discordar de nada e procurar os policiais na rua, onde eles nunca estão, é verdade... não é à-toa que os crimes acontecem, né verdade?

E o bichão falava, e falava, e falava e, eu tava tão preocupado com coisas como: "passa o celular e a grana ai prayboy!" que não me dei conta quanto a conversa entrou nesse assunto:

- Pois é, aí falei pro meu parceru: "Porra! Num fica me fazedo de palhaço não!?" pelo telefone mermu, mandei ele a merda... deve ta puto comigo agora, mas aí, foda-se... num to certo? que que tu acha? Porra, ele é casado e se envolveu comigo porque quis!!! Eu num tenho nada com a mulé dele... Ele diz que ela ta desconfiada já até comentou que nunca me vê com muié nenhuma - ele até foi legal nessa, pois falou pra ela que isso era pobrema meu e num tinha nda com isso e coisa e tal - mas eu fiquei puto porque ele veio falar comigo isso!!! Ai já falei logo: Aí, se essa maluca entra numa comigo eu te chamo e falo pra ela, fala com ele que é seu marido, eu num durmo contigo!!! Num to certo?! que que tu acha? Num fode!!! Eu num to casado com ninguém, num to me metendo em nada, num to certo?! que que tu acha? Blá blá blá num to certo?! que que tu acha?

Bem, depois de zilhões de "que que tu acha!?" - e eu me vi na praia do ingá, lugar mais seguro - resolvi responder:

- Porque tu não se envolve com gente desimpedida?

- Mas num tem!!!

Foi aí que eu quase, mas quase morri de tanto rir, e o jagunso dos infernus desandou a gargalhar também... e finalmente ele chegará onde devia estar e eu fui - ainda chovia muito - pra casa as gargalhadas, pagando um mico dos diabos no meio da rua e aliviado pois meu celular ainda estava comigo... porém, ensopado!!!

*detalhe, eu andei na chuva porque não quis pegar ônibus por conta de assalto e coisa e tal e, aqui em nessa cidade, o povo é conhecido por gostar de andar... povo aqui faz tudo andando e, por isso que eu amo, mas amo mesmo, essa cidade... é uma qualidade que supera todas as cidades que eu fiquei afim.

11/27/2006

Mal Comparando



Eu ando com uma preguiça crônica de tudo, se deixar eu viro ameba mesmo é o caminho... Acho q uma forma de vida como a minha não precisaria de tanta complexidade, bastava ser uma célula, tava bom... uma simples ameba, já tava bom. Uma ameba que vive no cu dos meus inimigos só sugando de volta aquilo que me foi roubado, ou seja, energia!!!

Eu vi muito aqui na net, onde fiz novos amigos e fui vê-los em seus álbuns de foto. Teve uma foto que me chamou muita atenção, de um novo amigo e seu filhinho de uns 4 anos de idade. Deveria ser 40 pra 4, entende? E o lance me assustou muito, pois eles eram absolutamente iguais, só que um, mas gasto pelo tempo, claro que o outro hiper novinho em folha. Eram os mesmos olhos na foto. Tal pai tal filho... porém, quanta tristeza se via no mais velho e quanta esperança no mais novo. Uma simples foto falou muito sobre a vida.

Para quê ser mais que uma ameba, diz pra mim?!

11/24/2006

VALSA



Fez tanto luar que eu pensei nos teus olhos antigos
e nas tuas antigas palavras
O vento trouxe de longe tantos lugares em que estivemos
que tornei a viver contigo enquanto o vento passava.

Houve uma noite que cintilou sobre o teu rosto
e modelou tua voz entre as algas.
Eu moro, desde então, nas pedras frias que o céu protege.
e estudo apenas o ar e as águas.

Coitado de quem pôs sua esperança
nas praias fora do mundo...
Os ares fogem, viram-se as águas,
mesmo as pedras, com o tempo, mudam.

Cecília Meireles




Isso já me fez chorar muiiiiito!!!!

Isso não Sai da Minha mente



Goldfrapp - Hairy Trees

You give me this love (Tu me dá esse amor)
You give me this love (Tu me dá esse amor)


Touch my (toca meu)
Garden (jardim)
Rain clouds (chuva fininha)
Mountains (montanhas)
Sunshine (por do sol)
All day long (todo dia longo)

Sunrise (brilho solar)
Meadows (prados)
Oceans (mar)
Rainbows (arco-íris)
Starlight (estrelas brilhando)
All day long (todo dia longo)

Golden (ouro)
New world (novo mundo)
Rain clouds (chuva fininha)
Mountains (montanhas)
Ride my (guia meu)
Pony (ponei)
Ride him (guia ele)
Slowly (lentamente)
Smiling (sorrindo)
All day long (todo dia longo)

You give me this love(Tu me dá esse amor)
You give me this love(Tu me dá esse amor)
You give me this love(Tu me dá esse amor)
You give me this love...(Tu me dá esse amor)

11/18/2006

GENIO!!!



"eu acho increvel a facilidade que todos tem de enchergar o machismo, mas quando se trata de femismo dai a água bate na bunda e a coisa muda de lado nao é?" - Bruno!!!

Deus abençoe esse guri, eu to besta aqui, eu vou usar essa expressão mas é direto!!!! Quase superou a máximo "de cu é rola!"

11/17/2006

Sei não



A Ana Hickman ta saindo tanto na TV que eu até sonhei com ela... imagina ai, eu e a Ana Hickman no carrinho apertadinho q cabe as pernas dela?!

Ah!!! Quem eu penso que sou?!? É besta né? O Vira-lata aqui acha q pode sair assim, comendo filé impunemente... Ridículo!



11/16/2006

É Dada a LARGADA!!! CORRAM PRO CINEMA!!!




V Araribóia Cine - "Canta, canta, minha gente!"
V ARARIBÓIA CINE - FESTIVAL DE NITERÓI
De 17 a 23 de novembro


Centro de Artes UFF - 19h30 (Dias 17 a 20) - 35mm
- (Dias 21 e 22) - Longas
MAC - 17h (Dias 18 e 19) - 16mm
Museu do Ingá - 17h30 (Dias 21 a 23) - digital
Entrada franca


Sexta, 17 nov 2006 Cine Arte UFF 19h30 35mm

Sessão 1 - Essa moda é nova que vem do Nordeste
Debate: Guilherme Werlang (GAT/UFF)

A PESSOA É PRO QUE NASCE, de Roberto Berliner (RJ, doc, 6min, cor, 1998)
FULORESTA DO SAMBA, de Marcelo Pinheiro (PE, doc, 26min, cor, 2005)
O LOBISOMEM E O CORONEL, de Elvis Kleber Figueiredo & Itálo Cajueiro (DF, Ani, 10min, cor, 2002)
O MUNDO É UMA CABEÇA, de Bidu Queiroz e Cláudio Barroso (PE, doc, 17min, cor, 2005)

Sábado, 18 nov 2006 MAC 17h 16mm

Sessão 2 -O samba trazendo alvorada, meu coração conquistou
Debate: André Diniz (pesquisador)

PIXINGUINHA, de João Carlos Horta (doc, 13min, 1969)
HEITOR DOS PRAZERES, de Antonio Carlos da Fontoura (RJ, doc, 13min, cor, 1965)
MOREIRA DA SILVA, de Ivan Cardoso (RJ, exp, 10min, cor, 1973)
PERDI A CABEÇA NA LINHA DO TREM, de Estevão Ciavatta Pantoja (RJ, fic, 14min, cor, 1992)


Sábado, 18 nov 2006 Cine Arte UFF 19h30 35mm

Sessão 3 - A rua, a rua, eu gosto é da rua
Debate: Rodrigo Fonseca (O Globo)

HIP-HOP SP, de Francisco Cesar Filho (SP, doc, 11min, cor, 1990)
ROSA, de Bruno Vianna (RJ, fic, 12min, cor, 1997)
ÊXITO DE RUA, de Cecília Araújo (PE, doc, 15min, cor, 2004)
RAP, O CANTO DA CEILÂNDIA, de Adirley Queiroz (DF, doc, 15min, cor, 2005)

Domingo, 19 nov 2006, MAC 17h 16mm

Sessão 4 - Isso aqui, é um pouquinho de Brasil, Iá, Ia
Debate: Amaury Santos (Rádio MEC)

O TEMPO E O SOM, de Bruno Barreto Neto e Walter Lima (RJ, doc, 12min, cor, 1970)
UMA CASA MUITO ENGRAÇADA, de Toshie Nishio (RJ, ani., 3min, cor, 1996)
VINÍCIUS DE MORAES, UM RAPAZ DE FAMÍLIA, de Susana Moraes (RJ, doc, 32min, cor, 1983)
A ESTÓRIA DE CLARA CROCODILO, de Cristina Santeiro (SP, fic, 10min, p&b, 1981)

Domingo, 19 nov 2006, Cine Arte UFF 19h30 35mm

Sessão 5 - O filme quis dizer: "eu sou a música"
Debate: Marcelo Janot (crítico e DJ)
ÁLBUM DE MÚSICA, de Sérgio Sanz (RJ, doc, 10min, p&b, 1974)
DESCOBRINDO WALTEL, de Alessandro Gamo (PR, doc, 15min, cor, 2005)
DOIS TONS, de Caetano Gottardi (SP/MS, fic, 16min, cor, 2005)
UAKTI: OFICINA INSTRUMENTAL, de Rafael Conde (MG, doc, 12min, cor, 1987)
VIVA VOLTA, de Heloisa Passos (PR, doc, 15min, cor, 2005)

Segunda, 20 nov 2006 Cine Arte UFF 19h30 (35mm)

Sessão 6- Negro é a raiz da liberdade
Debate: Lia Calabre (Fundação Rui Barbosa)
CHEGA DE DEMANDA - CARTOLA, de Roberto Moura (RJ, doc, 10min, cor, 1974)
MESTRE HUMBERTO, de Rodrigo Savastano (RJ, doc, 20min, 2005)
BABAÚ NA CASA DO CACHAÇA, de Luiz Guimarães de Castro (RJ, doc, 20min, cor, 2005)
DA TERRA, de Janaina Diniz Guerra (RJ, doc, 15min, cor, 2005)

Terça, 21 nov 2006, Museu do Ingá 17h30

Sessão Digital 1
THE BIG BOY SHOW, de de Claudio Dager e Leandro Petersen (RJ, doc, 20min, cor, vídeo, 2004)
A RESISTÊNCIA DO VINIL, de Eduardo Castro (GO, doc, 25min, cor, Beta, 2005)

Terça, 21 nov 2006, Cine Arte UFF Longas-metragens

17h - ALÔ, ALÔ CARNAVAL, de Adhemar Gonzaga e Wallace Downey (Brasil, 78min, 1936)
18h30 - O ÉBRIO, de Gilda de Abreu (Brasil, 126min, 1946)
21h -RIO ZONA NORTE, de Nelson Pereira dos Santos (Brasil, 90min, 1957)

Quarta, 22 nov 2006, Museu do Ingá 17h30

Sessão Digital 2
ALDIR BLANC - DOIS PRA LÁ, DOIS PRA CÁ, de Alexandre Ribeiro de Carvalho, André Sampaio e José Roberto de Morais (RJ, doc, 55min, cor, 2004)

Quarta, 22 nov 2006, Cine Arte UFF Longas-metragens

17h20 TABU, de Júlio Bressane (Brasil, 95min, 1982)
19h SAMBA RIACHÃO, de Jorge Alfredo (Brasil, 86min, 2002)
21h CARTOLA, de Lírio Ferreira e Hilton Lacerda (Brasil, 85min, 2006)

Quinta, 23 nov 2006, Museu do Ingá 17h30

Sessão Digital 3
UMA RODA DE JONGO, de Haroldo Lopes (RJ, doc, 15min, cor, miniDV, 2003)
O SAMBA É O MEU DOM, de Luiz Guimarães de Castro (RJ, doc, 29min, cor, 2006)
OPERAÇÃO MORENGUEIRA, de Chico Serra e Godô Quincas (RJ, fic, 16min, Cor e P&B 16mm/MiniDV 2005)

Informações:
Centro de Artes UFF - 2629-5030 e 2629-5028
Programação completa: www.uff.br/centroarte



DEPOIS NUM RECLAMA HEM!?!?

11/14/2006

"Hawaiian Roller Coaster Ride"



Aloha e aloha e
'Ano 'ai ke aloha e
Aloha ae aloha e
A nu ay ki aloha e

There's no place I'd rather be
Then on my surfboard out at sea
Lingering in the ocean blue
And If I had one wish come true
I'd surf till the sun sets
Beyond the horizon

A wiki wiki mai lohi lohi
Lawe mai i ko papa he'e nalu
Flyin by on the Hawaiian roller coaster ride

A wiki wiki mai lohi lohi
La we mai iko papa he na lu
Pi'i na nalu la lahalaha
O ka moana hanupanupa
Lalala i kala hanahana
Me ke kai hoene i ka pu'e one
Helehele mai kakou e
Hawaiian roller coaster ride

There's no place I'd rather be
Than on the seashore dry, wet free
On golden sand is where I lay
And if I only had my way
I'd play til the sun sets
Beyond the horizon

Lalala i kala hanahana
Me ke kai hoene i ka pu'e one
It's time to try the Hawaiian Roller coaster ride

Hang loose, hang ten, howzit, shake a shaka
No worry, no fear, ain't no biggie braddah
Cuttin' in, cuttin' up, cuttin' back, cuttin' out
Frontside, backside, goofy footed, wipe out

Looking for the wipeout
Let's get jumpin', surf's up and pumpin'
Coastin' with the motion of the ocean
Whirlpools swirling, cascading, twirling
Hawaiian roller coaster ride

There's no place I'd rather be
Then on my surfboard out at sea
Lingering in the ocean blue
And if I had one wish come true
I'd surf till the sun sets
Beyond the horizon

A wiki wiki mai lohi lohi
Lawe mai i ko papa he'e nalu
Flyin by on the Hawaiian roller coaster ride

A wiki wiki mai lohi lohi
La we mai iko papa he na lu
Pi'i na nalu la lahalaha
O ka moana hanupanupa
Lalala i kala hanahana
Me ke kai hoene i ka pu'e one
Helehele mai kakou e
Hawaiian roller coaster ride

Eu escuto essa música 100 vezes por dia!!!

11/10/2006

Mas Estranho que nunca!!!



Eu saí hoje, fui pro mesmo lugar que eu vou sempre, com as mesmas pessoas que eu vejo sempre, mas hoje foi tudo muito anormal de mais - estranho mesmo... tanto que vou descrever tudo aqui:

Eu pedi vinho, nunca gosto de vinho, mas hoje eu bebi vinho... e tava um frio de lascar na rua, uma delícia de frio que nem o vinho acalmava... Estranho isso, vinho esquenta pacas, mas hoje não, um frio siberiano que não passava, uma delícia...

As pessoas a minha volta eram lindas, e todas pareciam ter uma etiqueta com um preço, como bonecas em prateleiras. Estranho isso, mas eu não conseguia guardar o meu olhar pra minha mesa... Alias, minha mesa falava coisas que eu nem entendia... Aí eu pensei, vou olhar a TV, e isso sim foi uma coisa que me deu um susto.

Passava um desfile de modas, justo no momento que C. chegou, e ela nem reparou, sendo que ela estuda isso... Mas eu fixei o olhar na TV e quase tive um surto quando vi que os vestidos não eram somente vestidos e acessórios. Era uma coisa "transformer" que a modelo parava no meio da passarela e o vestido ia se modificando na nossa frente, assim como os acessórios também... Eu juro que achei que tinham colocado alguma coisa no meu vinho, só eu via aquilo!?!

Alguém falou da Billy Holliday e a foto dela apareceu na TV!!! Como assim!?!

Uma das bonecas daquela vitrine linda que se formou naquele bar me deu maior vontade de comprar, mas eu nunca via o valor, e uma hora à boneca sumiu... Só que na verdade ela tava do meu lado!!! E mesmo assim não vi o preço!!!

O pior foi quando eu e L. - que também bebeu vinho - voltávamos pra casa e demos de cara com verduras no meio da rua, L. resolveu ver qual era daquilo e um baixinho surgiu no meio daquilo tudo e deu a ela um buquê de couve-flor!!! Voltamos andando com a certeza que o Zé das Couves é uma entidade real!!!

Teve algo de estranho nesse dia, e não sei bem se foi só o vinho... Se foi, beberei mais vinhos de boteco de hoje em diante.

11/09/2006

"La vie et belle, Chic et pas cher"

XX diz:

vou tomar um milk shake de chocolate e comer um hamburger e já volto
BB diz:
pqp!!!!!!!!!!!!!!!!!
volta pra onde, pra cova!!??!!
nossa se eu como isso eu morro
XX diz:
kkkkkkkk
eu gozo se eu comer isso
BB diz:
gozo e morro...
XX diz:
beijundas


é isso!!!

"gordura trans é tudo de bom nessa vida! eu como, gozo, fumo e morro! hahaha - bjus!" - superlativa

11/08/2006

Opiniões



1ª -

"Nossa, tu ta muito mais bonito que antes, com muito mais cara de classudo do que nunca!"

2ª -

"Sabe, tu tem que cortar o cabelo, ta horrível. A não ser que tu queira ficar igual aqueles velhos carecas cabeludos metidos a hippie..."

Talvez seja mais um daqueles dias inexplicáveis... To muito cansado pra tentar entender.

V Araribóia Cine - "Canta, canta, minha gente!"
V ARARIBÓIA CINE - FESTIVAL DE NITERÓI
De 17 a 23 de novembro



Centro de Artes UFF - 19h30 (Dias 17 a 20) - 35mm
- (Dias 21 e 22) - Longas
MAC - 17h (Dias 18 e 19) - 16mm
Museu do Ingá - 17h30 (Dias 21 a 23) - digital
Entrada franca


Sexta, 17 nov 2006 Cine Arte UFF 19h30 35mm

Sessão 1 - Essa moda é nova que vem do Nordeste
Debate: Guilherme Werlang (GAT/UFF)

A PESSOA É PRO QUE NASCE, de Roberto Berliner (RJ, doc, 6min, cor, 1998)
FULORESTA DO SAMBA, de Marcelo Pinheiro (PE, doc, 26min, cor, 2005)
O LOBISOMEM E O CORONEL, de Elvis Kleber Figueiredo & Itálo Cajueiro (DF, Ani, 10min, cor, 2002)
O MUNDO É UMA CABEÇA, de Bidu Queiroz e Cláudio Barroso (PE, doc, 17min, cor, 2005)

Sábado, 18 nov 2006 MAC 17h 16mm

Sessão 2 -O samba trazendo alvorada, meu coração conquistou
Debate: André Diniz (pesquisador)

PIXINGUINHA, de João Carlos Horta (doc, 13min, 1969)
HEITOR DOS PRAZERES, de Antonio Carlos da Fontoura (RJ, doc, 13min, cor, 1965)
MOREIRA DA SILVA, de Ivan Cardoso (RJ, exp, 10min, cor, 1973)
PERDI A CABEÇA NA LINHA DO TREM, de Estevão Ciavatta Pantoja (RJ, fic, 14min, cor, 1992)


Sábado, 18 nov 2006 Cine Arte UFF 19h30 35mm

Sessão 3 - A rua, a rua, eu gosto é da rua
Debate: Rodrigo Fonseca (O Globo)

HIP-HOP SP, de Francisco Cesar Filho (SP, doc, 11min, cor, 1990)
ROSA, de Bruno Vianna (RJ, fic, 12min, cor, 1997)
ÊXITO DE RUA, de Cecília Araújo (PE, doc, 15min, cor, 2004)
RAP, O CANTO DA CEILÂNDIA, de Adirley Queiroz (DF, doc, 15min, cor, 2005)

Domingo, 19 nov 2006, MAC 17h 16mm

Sessão 4 - Isso aqui, é um pouquinho de Brasil, Iá, Ia
Debate: Amaury Santos (Rádio MEC)

O TEMPO E O SOM, de Bruno Barreto Neto e Walter Lima (RJ, doc, 12min, cor, 1970)
UMA CASA MUITO ENGRAÇADA, de Toshie Nishio (RJ, ani., 3min, cor, 1996)
VINÍCIUS DE MORAES, UM RAPAZ DE FAMÍLIA, de Susana Moraes (RJ, doc, 32min, cor, 1983)
A ESTÓRIA DE CLARA CROCODILO, de Cristina Santeiro (SP, fic, 10min, p&b, 1981)


Domingo, 19 nov 2006, Cine Arte UFF 19h30 35mm

Sessão 5 - O filme quis dizer: "eu sou a música"
Debate: Marcelo Janot (crítico e DJ)
ÁLBUM DE MÚSICA, de Sérgio Sanz (RJ, doc, 10min, p&b, 1974)
DESCOBRINDO WALTEL, de Alessandro Gamo (PR, doc, 15min, cor, 2005)
DOIS TONS, de Caetano Gottardi (SP/MS, fic, 16min, cor, 2005)
UAKTI: OFICINA INSTRUMENTAL, de Rafael Conde (MG, doc, 12min, cor, 1987)
VIVA VOLTA, de Heloisa Passos (PR, doc, 15min, cor, 2005)


Segunda, 20 nov 2006 Cine Arte UFF 19h30 (35mm)

Sessão 6- Negro é a raiz da liberdade
Debate: Lia Calabre (Fundação Rui Barbosa)
CHEGA DE DEMANDA - CARTOLA, de Roberto Moura (RJ, doc, 10min, cor, 1974)
MESTRE HUMBERTO, de Rodrigo Savastano (RJ, doc, 20min, 2005)
BABAÚ NA CASA DO CACHAÇA, de Luiz Guimarães de Castro (RJ, doc, 20min, cor, 2005)
DA TERRA, de Janaina Diniz Guerra (RJ, doc, 15min, cor, 2005)

Terça, 21 nov 2006, Museu do Ingá 17h30

Sessão Digital 1
THE BIG BOY SHOW, de de Claudio Dager e Leandro Petersen (RJ, doc, 20min, cor, vídeo, 2004)
A RESISTÊNCIA DO VINIL, de Eduardo Castro (GO, doc, 25min, cor, Beta, 2005)

Terça, 21 nov 2006, Cine Arte UFF Longas-metragens

17h - ALÔ, ALÔ CARNAVAL, de Adhemar Gonzaga e Wallace Downey (Brasil, 78min, 1936)
18h30 - O ÉBRIO, de Gilda de Abreu (Brasil, 126min, 1946)
21h -RIO ZONA NORTE, de Nelson Pereira dos Santos (Brasil, 90min, 1957)

Quarta, 22 nov 2006, Museu do Ingá 17h30

Sessão Digital 2
ALDIR BLANC - DOIS PRA LÁ, DOIS PRA CÁ, de Alexandre Ribeiro de Carvalho, André Sampaio e José Roberto de Morais (RJ, doc, 55min, cor, 2004)

Quarta, 22 nov 2006, Cine Arte UFF Longas-metragens

17h20 TABU, de Júlio Bressane (Brasil, 95min, 1982)
19h SAMBA RIACHÃO, de Jorge Alfredo (Brasil, 86min, 2002)
21h CARTOLA, de Lírio Ferreira e Hilton Lacerda (Brasil, 85min, 2006)

Quinta, 23 nov 2006, Museu do Ingá 17h30

Sessão Digital 3
UMA RODA DE JONGO, de Haroldo Lopes (RJ, doc, 15min, cor, miniDV, 2003)
O SAMBA É O MEU DOM, de Luiz Guimarães de Castro (RJ, doc, 29min, cor, 2006)
OPERAÇÃO MORENGUEIRA, de Chico Serra e Godô Quincas (RJ, fic, 16min, Cor e P&B 16mm/MiniDV 2005)

Informações:
Centro de Artes UFF - 2629-5030 e 2629-5028
Programação completa: www.uff.br/centroarte



ESSE EU VOU!!!

11/07/2006

Assim Falou KAKAU do Estúdio!



Dia 11 Sabado Show do SPIN XXI Lançando CD e Gravando DVD

- O Show da Minha banda de Música Progressiva Contemporânea Evolutiva SPIN XXI -

Vai Acontecer!!! Voltamos da Década de 70
Estamos Lançando CD e Gravando um DVD

No teatro da Associação Médica Fluminense de Niteroi RJ
AV Roberto Silveira 123 tel 2710 1549
As 20 hrs, Abrimos a noite e depois de Nós, toca a Banda Argentina Amagrama

11/05/2006

2 Revelações



O Sonho...

- Eu estava na faculdade, esperando o trabalho a ser passado pelo professor de diagramação. Eu sei que era pra criar uma paginação totalmente diferente, algo impressionante em forma de textos. Alguém me passou uma revista italiana e eu escolhi uma matéria na revista para montar. Pedi pra C. - não sei por que C., visto que eu tenho quase certeza que C. não sabe nem dar bom dia em italiano - traduzir a matéria pra mim e foi aí que vi que se tratava de uma linda matéria sobre sexo a distância. Um texto primoroso - se é que isso é possível - sobre pessoas que faziam sexo pela internet, por telefone, ou até mesmo por correspondência. Peguei aquele texto e criei um papiro negro com um pano velho que dei banho de cola com vinagre - porque também não sei - e reescrevi a matéria toda com um desenho estilo Kama Sutra no sentro, marcado pela diferença de cores que usei pra escrever o texto, manuscrito e absurdamente lindo. Entreguei o trabalho com a tradução de C. que estava super bem escrita, num papel branco, mas com uma simetria maravilhosa. Assim que o trabalho foi entregue, e foi feito em tempo record - só em sonho mesmo - o meu professor leu, parou, pensou, elogiou a estética e falou; "Não é incrível isso? No fim das contas, você e C. fizeram sexo a distância e geraram até um filho, não? Com alma e tudo..." A C.estava perto ainda, mas era uma imagem refletida em um espelho, era só isso...

A Realidade...

Quando R. me ligou eu tinha acabado de falar dele, e achei isso incrível, pois não rolava combinação nenhuma de ligação aparente. Atendi o celular e conversamos um pouco, sobre viagens e vulcões. R. então revelou sua paixão por catástrofes naturais e eu falei que amo os vulcões... q adoraria morar perto de um, mesmo sabendo que aquilo poderia acabar comigo, e mesmo assim reverenciaria a potencia daquela fonte de energia magnífica. R. então me disse que me daria um motivo maior ainda pra meu amor aos vulcões só crescer, e então ele disse que Marte se tornou um planeta sem possibilidade de vida nele por conta de não ter mais vulcões ativos... eles se extinguiram muito rápido cortando assim a possibilidade do planeta ter renovação do ar devido aos gazes e, sendo assim, impediu acontecer lá o que aconteceu aqui - o que ao meu ver foi uma baita sorte do planeta lá, porque viver com gente encima fazendo e acontecendo ninguém merece - e por isso esse planeta aqui tem essa formação de vida constante e renovadora... Oras, lindo isso, não!?... Assim que desliguei o celular, dei de cara com a televisão da portaria com a imagem de um enorme vulcão fazendo sua parte para manter esse planeta vivo, e depois a cena passava para a cara de umas pessoas aterrorizadas com aquela fúria... A fúria da vida, seria isso?!

A Conclusão !

Meus dias andam tristes de mais, minha vida anda presa de mais em mim mesmo, meu chão se tornou uma lama pegajosa que não me deixa voar, meu cabelo me enraizou numa terra ruim, sem vida... Meus dias pararam de explodir, minha fúria cessou. Meus dias estão velhos, os macacos fugiram pra outras matas, minhas noites cansadas, as mariposas não brincam mais na luz, nem sei se há luz mais, estou cego eu acho... Meu mato morreu... Meu rio esta sujo dessa lama que me prende, e mesmo assim, eu to sorrindo pra não se transformar no espelho dessa energia que me confunde... Sendo assim, ando pintando totens, como os índios sempre fizeram, pois tenho necessidade de que algo primitivo em mim acorde, algo que olhe para um garfo e fique horas pensando pra que serve aquilo... Pois esse velho sábio que não se surpreende com nada, já me encheu o saco!!!


11/01/2006

As Bruxas



"- Querem ver minha coleção de massanetas?
- Como as conseguiu?!
- Não me lembro... So sei que sempre tem uma cabeça vazia precisando uma porta aberta..." - Tia Clara (A Feiticeira)