O patinho tavu na lagoa... O Menininho tavu na canoa... Se eu fosse uma brabuleta.... Pegavu ele e butavu na maleta....

4/04/2013

2 revelações SanSei


O Sonho...

- Eu estava na faculdade, esperando o trabalho a ser passado pelo professor de diagramação. Eu sei que era pra criar uma paginação totalmente diferente, algo impressionante em forma de textos. Alguém me passou uma revista italiana e eu escolhi uma matéria na revista para montar. Pedi pra C. – não sei por que C., visto que eu tenho quase certeza que C. não sabe nem dar bom dia em italiano – traduzir a matéria pra mim e foi aí que vi que se tratava de uma linda matéria sobre sexo à distância. Um texto primoroso – se é que isso é possível – sobre pessoas que faziam sexo pela internet, por telefone, ou até mesmo por correspondência. Peguei aquele texto e criei um papiro negro com um pano velho que dei banho de cola com vinagre – porque, também não sei – e reescrevi a matéria toda com um desenho estilo Kama Sutra no centro, marcado pela diferença de cores que usei, ficou absurdamente lindo. Entreguei o trabalho com a tradução de C. que estava super bem escrito, num papel branco, mas com uma simetria maravilhosa. Assim que o trabalho foi entregue, e foi feito em tempo record – só em sonho mesmo – o meu professor leu, parou, pensou, elogiou a estética e falou; “Não é incrível isso? No fim das contas, você e C. fizeram sexo a distância e geraram até um filho, não? Com alma e tudo...” A C.estava perto ainda, mas era uma imagem refletida em um espelho, era só isso...

A Realidade...

Quando R. me ligou eu tinha acabado de falar dele, e achei isso incrível, pois não rolava combinação nenhuma de ligação aparente. Atendi o celular e conversamos um pouco, sobre viagens e vulcões. R. então revelou sua paixão por catástrofes naturais e eu falei que amo os vulcões... q adoraria morar perto de um, mesmo sabendo que aquilo poderia acabar comigo, e mesmo assim reverenciaria a potencia daquela fonte de energia magnífica. R. então me disse que me daria um motivo maior ainda pra meu amor aos vulcões só crescer, e então ele disse que Marte se tornou um planeta sem possibilidade de vida nele por conta de não ter mais vulcões ativos... eles se extinguiram muito rápido cortando assim a possibilidade do planeta ter renovação do ar devido aos gazes e, sendo assim, impediu de acontecer lá o que aconteceu aqui – o que ao meu ver foi uma baita sorte do planeta lá, porque viver com gente encima fazendo e acontecendo ninguém merece – e por isso esse planeta aqui tem essa formação de vida constante e renovadora... Oras, lindo isso, não!?... Assim que desliguei o celular, dei de cara com a televisão da portaria com a imagem de um enorme vulcão fazendo sua parte para manter esse planeta vivo, e depois a cena passava para a cara de umas pessoas aterrorizadas com aquela fúria... A fúria da vida, seria isso?!

A Conclusão

Meus dias andam tristes demais, minha vida anda presa demais em mim mesmo, meu chão se tornou uma lama pegajosa que não me deixa voar, meu cabelo me enraizou numa terra ruim, sem vida... Meus dias pararam de explodir, minha fúria cessou. Meus dias estão velhos, os macacos fugiram pra outras matas, minhas noites cansadas, as mariposas não brincam mais na luz, nem sei se há luz mais, estou cego eu acho... Meu mato morreu... Meu rio esta sujo dessa lama que me prende, e mesmo assim, eu to sorrindo pra não se transformar no espelho dessa energia que me confunde... Sendo assim, ando pintando totens, como os índios sempre fizeram, pois tenho necessidade de que algo primitivo em mim acorde, algo que olhe para um garfo e fique horas pensando pra que serve aquilo... Pois esse velho sábio que não se surpreende com nada, já me encheu o saco!!!

Nenhum comentário: