O patinho tavu na lagoa... O Menininho tavu na canoa... Se eu fosse uma brabuleta.... Pegavu ele e butavu na maleta....

6/15/2008

Então ele passou por mim



Sim, ele era loiro e tinha um cabelo enorme, liso e bem cheio, costeletas grandes, barba por fazer, olhos claros (azulados, eu acho) uma pele meio queimada de sol, era baixo - valeu - mas andava com um colete - eu nunca vi ninguém andar de colete sem camisa na rua - uma calça jens escura e não me lembro de ter visto alguma tatuagem, mas nem precisava, era como se ela existisse, existindo ou não, entende?

Pois ele passou por mim num andar seguro, olhando pra frente, com cara meio amarrada e eu me senti um fã! Um fã de quem, oras bolas? Quem era ele?! Provavelmente ninguém, afinal de contas, eu não moro na California!

Ele passou e eu fiquei olhando como se fosse uma celebridade passando por mim... Mas quem?!?!? E se não for ninguém?! E se for alguém importante, quem era? Como vou dizer as pessoas que cruzei com "sei la quem importante pra caralho" na rua?!

Me deu uma coisa, eu achava que as celebridades eram construídas e não nasciam daquele jeito... deu uma coisa estranha... será que ele ia pra uma festa a fantasia? Mas era de tarde isso, perto das 4 horas.

Bem, sei que ele passou por mim e eu olhei bem, sim, olhei pra que se ele aparecer por aí eu possa dizer: "nossa, esse cara passou do meu lado na rua!!! Era ele sim!!!"

Um comentário:

EDIL CARVALHO disse...

seu texto me remeteu a um poema do Walt Whitman:

A UM SER DESCONHECIDO

Desconhecido ser que vai passando,
não imagina com que ansiedade
ponho em você meus olhos:
bem pode ser você
aquele que eu andava procurando ou
aquela que eu andava procurando
(isso me ocorre como num sonho),
vai ver que com você eu já vivi
algures uma vida de alegrias,
e tudo vem à lembrança
quando passamos um pelo outro,
afeiçoados e fluidos, castos e amadurecidos,
junto comigo você cresceu
e foi menino ou menina junto comigo,
com você comi e dormi,
seu corpo não se fez seu exclusivo
nem meu corpo foi exclusivamente meu,
você me dá a alegria de seus olhos,
rosto, carne, ao cruzarmos,
e de mim leva em troca
a barba, o peito, as mãos,
eu não estou para lhe dizer coisas
mas para ficar pensando em você
quando sozinho me sento
ou quando acordo de noite sozinho,
sou de esperar e não duvido de que esteja
a ponto de encontrar você de novo,
e aqui estou para ver
que eu não perco você.