O patinho tavu na lagoa... O Menininho tavu na canoa... Se eu fosse uma brabuleta.... Pegavu ele e butavu na maleta....

12/28/2007

Uma Energia Estranha

Eu diria que isso tudo passou como uma nuvem escura no céu cheio de vento, mas, se for contabilizar, foram anos e anos, fechado num vidrinho do lado de fora do jardim...

Ao andar na rua, passou pela frente, uma mariposa que voava debilmente, como se alguém abrisse o vidrinho e assim pudesse escapar do seu exílio. Esses dias presa não a fez um gênio da lâmpada, não rolou 3 pedidos pro seu libertador, nem mesmo um ódio contido desse de quem não agüentava mais...

Parecia não se ter muito tempo pra curtir o vento, o calor da rua, a luz tênue do reflexo dos carros... Só o fato de voar pra longe do vidrinho parece valer mais do que cumprir seu objetivo na vida. A natureza que se foda! O voar longe dali era muito mais gostoso!!!

E tudo parece acontecer de noite, quando se anda na rua, como os gatos vira-latas, protegido pelo escuro e caminhando sempre nas sombras, apostando nos sentidos menos usados.

Agora solto, digo e repito: não se sabe nada sobre a vida, mesmo se aprofundando em biografias. Sim, pois nunca se sabe exatamente o que se sente quando se vive... e é no sentir que se traduz a vida. O resto é ilusório e contribui bastante para o nada abstrato de estar existindo.

Nenhum comentário: