O patinho tavu na lagoa... O Menininho tavu na canoa... Se eu fosse uma brabuleta.... Pegavu ele e butavu na maleta....

5/04/2006

Ainda não entendo...



Bem, eu tenho um treco que me faz ver ou sentir as coisas antes q elas aconteçam -nada muito claro e por isso me mata de ódio. Pois o meu primeiro impulso é fugir, como os gatos quando percebem a morte, e depois me atropelo em dúvidas do tipo, como seria se eu não tivesse fugido?! Era pr´eu fugir mesmo!? Será que não estou fugindo de uma missão?

Tudo não tem a menor lógica, mas rola... Uma vez, estava eu na casa de um amigo em terras estrangeiras. Eu fiquei morando na casa dele, que mais parecia minha, pois ele nunca tava em casa, viajava pacas, trabalhava pacas e aquele virou meu castelo... Era uma casa muito antiga e ela parecia falar comigo, e por isso a fotografei toda. Um prédio baixo, bem antigo e muito lindo, no meio de um bairro de subúrbio dessa cidade que eu estava.

Bem, em uma quarta-feira eu vim da rua e entrei no prédio. Abri a grande porta pra colocar charrete e fui subindo pelo corredor e senti um lance estranho, nada me afetou, nada aconteceu a não ser a necessidade estranha de ter que fugir dali... Eu tinha que fazer isso.

E foi o que fiz; entrei na casa, peguei o que deu pra pagar e fugi... era tarde, mas peguei o ultimo metrô que me deixou na casa de outro amigo. E ali fiquei. De manhã eu recebo um telefonema do dono do "meu castelo".

-E aí?
-Cara, nem te conto... tu saiu daqui e o visinho se jogou da janela e morreu, foi muito feio a coisa...
-Porque ele fez isso?
-A poltrona pegou fogo, tava encostada na calefação, ele acordou, se assustou e pulou da janela...

È freqüente, no lugar onde eu tava, as pessoas morrerem de medo de incêndio, até me foi explicado isso e eu francamente não entendi, todos os prédios são baixinhos, se tu pular consciente, tu saí na boa, no máximo uma perna quebrada... O cara deve ter se atirado pela janela de cabeça mesmo, era o terceiro andar, bem encima do meu... e ele morreu justo no lugar onda cresciam eras lindíssimas que não perdiam a folhagem apesar do frio. Bem, eu fugi... Será que era pra eu estar lá e talvez ajudar o maluco?!

Assim se fez muitas vezes na minha vida, alguma coisa invisível me toca e eu penso logo: "por onde devo sair? - muito tranqüilo" e é batata...

A única vez qu'eu enfrentei tal sensação - muito sutil, como um berro debaixo d'água a sensação - fiquei preso num ônibus com dois guris armados roubando todo mundo... e uma senhora do meu lado estava quase tendo uma crise nervosa... ela pegou na minha mão e se acalmou. Os caras deixaram a gente (saíram do ônibus) no morro do cavalão e nada de ruim aconteceu, a não ser perder coisas... Tipo assim; "se eu não entro nessa merda, e essa senhora tem um surto e leva um tiro?!" Eu me lembro que entrei no ônibus porque estava atrasado e assim que entrei senti que devia sair imediatamente, mesmo depois de ter pago a passagem... Mas dessa vez, só dessa vez, não fugi.

Nenhum comentário: