O patinho tavu na lagoa... O Menininho tavu na canoa... Se eu fosse uma brabuleta.... Pegavu ele e butavu na maleta....

10/10/2004

Pois então...



Difícil não me apaixonar pelo novo livro que estou lendo, pois a história já começa com a descrição de um homem muito estranho; Alexandr Petrovitch, seu primeiro nome.

Ele era na verdade um assassino que matou sua esposa dias depois do casamento, por ciúmes, e, desde então, tornou-se taciturno e recolhido, não gostava das pessoas, tinha respostas atravessadas que evitavam o continuar de qualquer diálogo. Uma das atitudes do carinha para desbundar seus interlocutores era ficar calado, com um sorriso nervoso, olhando fixamente para o oponente sem proferir um movimento extra. Como se estivesse trincado.

Engraçado foi quando eu li um trecho do livro, onde o narrador, que se mostra muito curioso pela figura, o convida para um "qualquer coisa" em sua casa. O sujeito então o olha friamente e sai atabalhoado pela rua, completamente desesperado, como quem foge de um assaltante.

Enfim... de alguma maneira me vi nessa personagem... Meu adorado "escritor preferido" retratou a minha alma, ou me influenciou muito a mudar meus modos daqui pra frente. Acho que veio a calhar ter as Recordações da Casa dos Mortos.

Valeu Shirley Rox!!!


"Convidei-o repentinamente a minha casa fumar um cigarro. Não consigo reproduzir o pavor que se pintou nos seus olhos. Desconsertado, balbuciou algumas palavras sem nexo, e de súbito, com os olhos túmidos de ódio, pôe-se a correr na direção oposta..." - Dostoievski - "Recordações da Casa dos Mortos"

Nenhum comentário: